The Premiere: projetor 4K com números enormes
samsung the premiere
Início » NOVOS PRODUTOS » The Premiere: projetor 4K com números enormes

The Premiere: projetor 4K com números enormes

RESUMO

The Premiere: projetor 4K da Samsung permite ter uma tela de até 130 polegadas a poucos centímetros da parede.

The Premiere: a linha de projetores 4K de curta distância da Samsung foi anunciada no Brasil no começo de maio, junto com a linha de TVs 8K e 4K. É um dos produtos mais legais da linha, com dois modelos capazes de criar imagens de até 120 ou 130 polegadas a poucos centímetros da parede, tornando a experiência de ver TV em um cinema particular.

The Premiere: pouco espaço, tela grande

Vi uma demonstração do modelo LSP9T (preço sugerido: R$ 64.999), capaz de projetar até 130″. A exibição foi feita em ambiente controlado, apenas com quatro pessoas em um local grande e ventilado (gerente de comunicação, gerente de produto, assistente de produto e eu), na sede da Samsung em São Paulo.

A diferença desse modelo para o LSP7T é o preço sugerido menor (R$ 39.999), tamanho máximo de projeção de 120″, 2200 lúmens de brilho e apenas um laser de projeção (contra três dos modelo mais caro).

Perto das TVs acima de 65″ de qualquer marca, o The Premiere pode ser considerado um produto “leve e compacto” (sem ironia): mede 550 x 141 x 367 mm e pesa apenas 11,5 kg. Sua parte frontal, em tecido, é o sistema de som integrado, com 4.2 canais e 40W de potência RMS, Dolby Digital Plus e capaz de encher o ambiente.

Acima do equipamento está o laser triplo de projeção com resolução nativa 4K (3840 x 2160) capaz de gerar imagens entre 100″ e 130″ e até 2800 lúmens.

O mais impressionante é que o The Premiere pode ficar muito perto da parede/tela de projeção. Para uma tela de 100″, 11,3 cm de distância. De 120″, 19,6 cm. E para 130″, 24 cm.

Na parte traseira, um monte de opções de conexão: 3 portas HDMI, uma USB, saída óptica de áudio, entrada de R/F. O produto tem ainda conectividade Bluetooth (4.2) e Wi-Fi 5 – porque é uma Smart TV disfarçada de projetor, no final das contas.

O controle remoto branco segue o padrão dos controles das TVs, com poucos botões e comando de voz (Bixby, Google Assistente e Alexa são compatíveis). Não é o controle remoto solar (mais sobre ele adiante).

Ligado, The Premiere é uma grande TV Samsung. Roda Tizen – o mesmo sistema das TVs -, com os principais apps/serviços de streaming (e a loja de downloads). Se você já usou uma TV Samsung recente, é a mesma coisa. Tem até o recurso Tap View, que espelha a tela do smartphone (Samsung, claro) na tela projetada com um toque.

Aqui, a projeção de 130″ foi feita em uma tela especial. Mas teoricamente em uma parede branca também funciona (se você tem dinheiro para comprar The Premiere, tem dinheiro para comprar uma tela também, certo?). Vi algumas coisas no YouTube e… uau. A correção de cor aqui ficou um pouco puxada para o roxo (culpem o iPhone 12 Pro Max), mas a imagem é perfeita.

Eu compraria um? Sem dúvida, mas preciso de espaço primeiro… Não cabem 130 polegadas na sala de casa, sabe? 😉

Apesar das telas Neo QLED 8K serem incríveis, como a QN900A abaixo com suas 75 polegadas…

…a linha Lifestyle da Samsung tem opções menos sisudas e com design mais divertido (ou feito para se encaixar perfeitamente em casas projetadas por arquitetos e decoradores), como a The Sero, que gira (!). Esse ainda é o modelo 2020 e será atualizado no segundo semestre

E a The Frame, uma tela 4K que simula obras de arte (e tem moldura customizável) enquanto está desligada:

The Frame

Bônus: controle remoto SolarCell

Em janeiro, na CES digital, a Samsung anunciou que os controles remotos da marca passariam a usar energia solar para recarregar sua bateria. As TVs QLED e NeoQLED (modelos mais caros, por sinal) da linha 2021 já vêm com o novo controle – que é idêntico ao anterior, mas agora com o painel solar na traseira e um conector USB-C para carga via cabo (não incluso na caixa).

Para assinar INTERFACES clique aqui e receba o melhor da tecnologia por e-mail toda sexta-feira de manhã, com a nossa curadoria.

Escrito por
Henrique Martin
1 comentário