LG Velvet: design lindo, specs nem tanto
LG Velvet

LG Velvet: design lindo, specs nem tanto

RESUMO

A LG lança hoje no Brasil o smartphone Velvet, um aparelho lindo com processador antigo. Saiba mais.

[MWC 2018] Logo depois da coletiva da Samsung em Barcelona para anunciar os Galaxy S9/S9+ com processador Qualcomm Snapdragon 845, a LG também mostrou sua nova linha premium: o Velvet, com um design diferente e uma câmera promissora de 48 megapixels (!)

Acorda, Henrique. Já estamos em 2020, no meio de uma pandemia global, e o Velvet, anunciado lá fora poucos meses atrás, está sendo lançado hoje no Brasil, com um processador de três anos de idade. Sim: é um telefone de 2020 com entranhas desatualizadas.

LG Velvet: o que importa

  • O aparelho representa uma grande mudança na direção de design da LG. É um aparelho fino, leve e de tela levemente curvada. A LG olhou para o Galaxy S7 Edge (o smartphone mais bonito feito pela concorrente Samsung até hoje) e aprimorou o conceito, trazendo configurações dignas de um aparelho topo de linha em 2020 – ou quase.
  • O acabamento traseiro em branco-furtacor (no estilo do Galaxy S10) dá um efeito lindo ao LG Velvet. Frente e traseira são feitos em vidro, a estrutura é de alumínio. Essa versão que recebi é o Aurora White, mas ele tem outras cores diferentes também (Aurora Gray, cinza, e Illusion Sunset, furtacor mais alaranjado).
  • A chegada do Velvet marca o fim da errática linha G na fabricante, que nunca conseguiu atingir algum destaque no mercado global de smartphones. Fizeram barulho com o G5 (o primeiro smartphone modular… que não deu certo), ficou por isso.
  • A LG vende, lá fora, acessórios como uma segunda tela para o Velvet (como a do G8X) e uma caneta stylus. Eles aparecem listados na página oficial do produto no site da LG e a tela chega como acessório, mas não tem preço divulgado ainda pela marca.
  • A câmera principal de 48 megapixels é o destaque do aparelho. Rápida, com bons resultados – mesmo em situações de baixa luminosidade, o que era um problema comum em modelos topo de linha da marca. A interface da câmera, porém, lembra a da Huawei – o que não é um problema (e a Huawei copia a do iPhone, então…)
  • Eu compraria um? Pelo design e pela câmera boa e ágil sim, com chipset mais moderno ou preço menor. Pelas configurações atuais, não.

Fotos feitas com o LG Velvet

E o que é estranho no aparelho

  • A escorregada se dá na adoção do chipset. O modelo brasileiro do LG Velvet vem com o já citado Snapdragon 845, que era a referência para smartphones topo de linha em 2018.
  • Não vejo o processador como restritivo para o consumidor final. Ninguém sai de casa e pensa “nossa, hoje é 17 de setembro de 2020 e é um lindo dia para escolher entre um smartphone com Snapdragon ou Exynos”, certo? Estou com um Velvet há alguns dias e ele dá uma sensação de modernidade. É rápido, é fluido.
  • Se custasse em torno de R$ 2.5003.000, seria um candidato a “intermediário premium do ano” – damos um desconto pelo chipset antigo com menos RAM que os premium de 2020 (todos com 8GB ou mais), Android 10 e uma câmera divertida.
  • Mas a LG decidiu vender o Velvet pelo valor sugerido de R$ 4.299 e aí os coreanos foram longe demais, mesmo com descontos do varejo na compra à vista. Vale o conhecimento que logo mais (Black Friday? ou antes?) esse valor vai despencar. Quando chegar nos R$ 2.500, vale a pena.
  • Coisas que só a LG faz: tem um microfone especial dedicado para gravar… vídeos em ASMR (cada um com sua necessidade, afinal).

Análise da concorrência

  • Mas no fim das contas, hoje consumidor vai ver o preço (alto), comparar com outras opções que parecem mais atraentes – como os novos Moto G9 – ou que vão dar uma impressão, no balcão de vendas/carrinho de compras – de melhor custo/benefício, como os Galaxy A51 e A71. Lembrando de novo que estamos em 2020 e tudo que é eletrônico está mais caro, incluindo smartphones.
  • O valor proposto para o LG Velvet é, sem dúvida, menor que o de um Note 20 Ultra, Galaxy S20 Ultra ou Moto Edge (não falo de iPhone aqui porque outubro não chegou ainda). Mas a relação custo/benefício, como disse, não compensa.
  • Pensa que ainda dá para achar a linha Galaxy S9 no varejo, na faixa de R$ 2.000-R$ 3.000 (se você pensa em comprar um Galaxy S usado, vá de S10+, ainda um grande telefone e cheio de atualizações recentes de software). Relação custo/benefício que chama, não?

E o 5G?

  • No exterior, existem ainda a versão “moderna e original” do LG Velvet, com um Snapdragon 765G (o mesmo do Motorola Edge e do novo Moto razr 2020, com conectividade 5G) e outra igualmente restrita com um MediaTek Dimension 1000C, vendida nos Estados Unidos.
  • Mas a mídia especializada vai chiar (eu incluído), com razão. Não é o Snapdragon 855 dos aparelhos topo de linha de 2019. Não é o Snapdragon 865 de 2020. Não significa um smartphone topo de linha em 2020. É um intermediário bem chique.
  • O Snapdragon 845 foi anunciado no final 2017 e chegou ao mercado no começo de 2018. É uma desvalorização natural do produto – e não é a primeira vez que a LG faz isso (vide o smartphone modular LG G5, anunciado lá fora como topo de linha e que chegou ao Brasil também com recursos a menos).
  • Sai mais barato para a LG produzir com um 845 e dá para fingir que é um flagship 2020 cobrando um valor menor que os super premium do ano (Galaxy S20, Note 20, Moto Edge+), todos na faixa acima dos R$ 5.000. No fim do trimestre, maior lucro no caixa da corporação.
  • Não lançar com o Snapdragon 765G também parece que a LG Brasil não acompanha muito o mercado local. Motorola e Samsung já têm compatibilidade com o 5G fake brasileiro entre seus smartphones topo de linha. Os próximos iPhones terão 5G (embora nenhum rumor lá fora cite o tal 5G DSS. Ah, verdade: a gambiarra é usada por poucas operadoras nos EUA).
  • A LG perdeu um bonde (pequeno) da história a não trazer um aparelho compatível com o tal 5G DSS. Sempre vale lembrar que o 5G não existe no Brasil, o 5G DSS vendido pelas operadoras em meia dúzia de bairros de São Paulo e Rio de Janeiro é uma gambiarra em cima das redes 4G e o 5G de verdade nem teve suas frequências leiloadas ainda, o que deve ocorrer em 2021.
  • Mas há de se louvar a honestidade da marca: ela diz que “5G ainda é experimental” no Brasil.

Especificações técnicas

  • Chipset Qualcomm Snapdragon 845
  • 6 GB de RAM
  • 128 GB de armazenamento interno (expansível com cartões microSD de até 2TB)
  • Tela P-OLED de 6,8 polegadas (1080 x 2460) na proporção 20:9
  • Três câmeras traseiras: principal (48 megapixels, f/1.8), grande angular (8 megapixels, f/2.2) e uma lente de profundidade (5 MP, f/2.4), vídeos em 4K/30fps ou Full HD 30/60 FPS.
  • Câmera frontal: 16 megapixels
  • Som estéreo, conector 3,5 mm para fones de ouvido padrão
  • Bateria 4.300 mAH (15h07 min de duração no PC Mark for Android). Vem com carregador rápido na caixa (15W) e é compatível com carregamento sem fios rápido (9W).
  • Leitor de digitais integrado à tela; botão para Google Assistente (algo inútil).
  • Android 10 com LG UX
  • Tem certificação militar MIL-STD-810G e proteção IP68 contra água/poeira.
[LG]
Escrito por
Henrique Martin