Moto Edge 20 | Sony voltou | Gawker também
Início » NEWSLETTER » Moto Edge 20 | Sony voltou | Gawker também

Moto Edge 20 | Sony voltou | Gawker também

RESUMO

Edição enviada em 30 de julho de 2021 aos assinantes da INTERFACES NEWSLETTER. Assine e receba toda sexta de manhã.

Esta edição é composta por nossos temas favoritos do momento: Olimpíadas (dormimos e vemos as reprises na TV e a zoeira no Twitter/TikTok), Ted Lasso e o resto de gadgets e nossas costumeiras análises (ou reclamações, depende do seu ponto de vista).  Semana que vem já é agosto e vai ser um mês divertido e… dobrável. Aguardemos – enquanto isso, boa leitura e até mais! – Henrique e Samir.

INTERFACES circula por e-mail toda sexta-feira de manhã. 

Para assinar, clique aqui.

ELETRÔNICOS DE CONSUMO

EDGE SEM BORDA

A Motorola atualizou seus smartphones topo de linha com três novos modelos compatíveis com redes 5G: Edge 20 Pro, Edge 20 e Edge 20 Lite. Todos com tela grande de 6,7″ OLED e a promessa de desempenho rápido com preço acessível – mas com a “inovação” de não ter as bordas curvas no display, que era o grande charme dos Edge/Edge+ do ano passado.

Na prática, a Motorola empacotou um hardware decente com uma boa oferta de preço (699 euros o modelo mais caro, 449 euros o mais barato) para se posicionar melhor como marca premium.  E seguiu um discurso muito parecido com o que estamos acostumados a ver na Samsung – design, câmera, zoom da câmera, tela suave, desempenho, software. Se, durante a apresentação, o espectador fechasse o olho sem ouvir o nome do produto, apenas os recursos, dava fácil para afirmar que era um Unpacked dos coreanos. Está errada a Motorola? Não. Mas sua política de atualizações do Android, que já foi pioneira, segue um pouco limitada para um produto topo de linha. 

O principal destaque dos três modelos é o Edge 20 Pro, com processador Snapdragon 870 e uma câmera com zoom óptico de 5x com um periscópio, que permite zoom híbrido de até 50x – algo que Galaxies e Huaweis têm faz tempo. Será que vai dar para tirar foto da Lua?

Moto Edge 20 Pro: câmera de periscópio para chegar perto (Motorola/Divulgação)

FUTURO DO SILÍCIO

A Intel confirmou que vai começar a fabricar chips para concorrentes como Qualcomm e Amazon, em um passo para tentar retomar clientes perdidos para a Samsung e a TSMC na Ásia – e em uma jogada geopolítica de levar a fabricação de semicondutores para os Estados Unidos também. É uma espécie de “recuperar o tempo perdido” para a Intel, pelo visto.

No mesmo anúncio (não falaram nada da possível compra da Global Foundries, que comentamos aqui algumas semanas atrás), a Intel mostrou seu novo plano de processos e empacotamento de chips – algo bem técnico, que você pode ler de forma fácil ou super-cabeçuda.

PREMIUM E RESTRITO

A Huawei anunciou o smartphone P50, com especificações topo de linha (incluindo versões com chip Snapdragon 888 – a Qualcomm recebeu permissão para vender para a Huawei, mas sem 5G), com um monte de câmeras (com 50 megapixels na principal), Harmony OS e, como esperado, será comercializado apenas na China. A Huawei, por sinal, já não está mais entre os cinco principais vendedores de smartphones em sua terra natal. Dois anos de restrições dos Estados Unidos derrubaram a divisão mobile da empresa. 

Ainda na China, a ZTE lançou a segunda geração de smartphone com a câmera frontal embaixo da tela – o Axon 30 promete melhorar bastante a qualidade de imagem. Deve chegar a mais mercados em breve.

COURAÇA

A Nokia apresentou mais um smartphone 5G intermediário, agora voltado a um nicho que é explorado de vez em quando pelos concorrentes: gente que derruba o telefone no chão toda hora ou trabalha em condições árduas e precisa de um aparelho mais resistente. O Nokia XR 20 tem proteção contra água, quedas, altas temperaturas e ainda vem com atualizações de Android por um bom tempo – mas sem previsão de lançamento no Brasil ainda. 

LIMPA E PASSA PANO

Mais uma marca com representação local: a Eufy é o braço de produtos para casa inteligente da Anker e chega com aspirador-robô, balança conectada e fones de ouvido, já disponíveis na Amazon Brasil. Apesar de ser ligada à Anker no exterior, a operação local é independente da Positivo Tecnologia, que licencia a Anker no Brasil.

Mais uma linha de aspiradores-robô chegou ao país, mercado em expansão (Eufy/Divulgação)

SONY LASER

Da série “retornos”, a Multilaser anunciou mais uma parceria internacional: vai distribuir, a partir de outubro, os fones de ouvido da linha premium da Sony (que nos deixou em 2020). 

A Toshiba (também representada aqui em TVs pela Multilaser) começou a vender produtos da linha branca/marrom – lava e seca, microondas e refrigerador – em parceria com a Midea. Os produtos inicialmente são importados e voltados ao mercado premium também.

METAVERSO, MAS COM ESTILO

Os planos do Facebook de criar um metaverso seguem de vento em popa: o próximo “hardware” da rede social será um óculos inteligente criado em parceria com a Ray-Ban, sem mais detalhes.

MUNDO DOS VAZAMENTOS

  • Samsung Galaxy Z Flip 3, no WinFuture
  • Microsoft Surface Duo 2, no Windows Central
  • Apple aperta o cerco contra vazadores de informação e vendedores de protótipos, na Vice. Tem até ameaça de chamar a polícia.

TRANSLÚCIDO

A Nothing finalmente lançou seu fone sem fio Ear(1). Os primeiros reviews são bastante positivos, e os fones têm algo que faz muita falta no design de gadgets modernos: partes transparentes.

ACHADOS AMAZON DA SEMANA

CULTURA DIGITAL

MIAUPP

Seu gato é feliz? Tem um app para descobrir isso (claro que tem).

VENDENDO O CORPINHO

Se o YouTube não faz nada, os youtubers (pelo menos alguns) fazem: Mirko Drotschmann, jornalista alemão, denunciou a campanha de uma “agência” procurando criadores para disseminar notícias falsas contra a vacina da Pfizer. Léo Grasset, outro youtuber francês também recebeu a oferta e decidiu ir adiante para descobrir a sujeira – ambos denunciaram a sujeira no Twitter.

Mas a baixaria segue: uma investigação de outro jornalista alemão descobriu dois criadores que toparam a proposta: um indiano e o brasileiro Emerson Zóio (3 milhões de seguidores no Instagram, 12 milhões no YouTube) – os vídeos foram removidos do ar. É mais um capítulo da disseminação da desinformação paga, um mercado em crescimento – como o vídeo que circulou na última semana denunciando as “falhas” nas urnas eletrônicas brasileiras (tudo mentira, claro).

Esta semana um grupo de ativistas colocou sacos de corpos na frente da sede do Facebook em Washington, protestando contra a desinformação na rede. 

GOLPE DO NIGERIANO

Hushpuppi, o influencer de 2,5 milhões de seguidores preso desde o ano passado, se declarou culpado por crime de fraude – estima-se que o cara foi responsável por um rombo de US$ 24 milhões entre suas vítimas. Deve passar 20 anos na cadeia e devolver o dinheiro. Tem um caso parecido no Rio de Janeiro, mas a blogueira acusada de dar golpes já foi solta.

EU OUVI UM AMÉM?

Ah, Facebook. Novo parceiro preferencial: igrejas (nos abstemos de comentar… mentira, vamos comentar sim, já que vocês estão aqui para isso: é mais um flerte com o absurdo que a rede vai socando nos usuários, governos e na sociedade como um todo. É mais um retrocesso fantasiado de inovação). 

O QUE O INSTAGRAM FEZ CERTO ESTA SEMANA

Vai tornar as contas de menores de 16 anos (ou 18, em determinados locais) privadas por padrão em novos cadastros e reduzir o número de anúncios mostrados para essa audiência – e incentivar menores que já têm contas a torná-las privadas.

APLICATIVOS FAZENDO A COISA CERTA

Um bom novo recurso para o Google Drive: bloquear usuários. Finalmente usuários de iPhone poderão migrar seus chats de WhatsApp para Android e vice-versa (sim, do jeito que é hoje tudo vai para o além). E a Google Play Store vai banir apps de “sugar daddy” (se você sabe, você sabe).

5a SÉRIE C

A gente sempre dá uma risadinha quando vê o nome do concorrente do Twitter na Índia. Agora o governo indiano (que brigou com o Twitter) passou a se comunicar direto com a população pelo Koo. Parece uns políticos que a gente conhece.

VAI…

Futuro da economia coletiva: transmitir cenas de crime ao vivo em Nova York.

….E VEM

Futuro distópico-e-real da economia coletiva: perder “colaboradores” porque a gasolina ficou cara e ser motorista do Uber não compensa mais no Brasil. A uberização já virou algo gourmet, vem coisa pior por aí.

BIGODE

Não precisamos dizer que gostamos de Ted Lasso, mas agora justiça está sendo feita: a segunda temporada da série é um grande sucesso (diferente da primeira, que demorou a conquistar o mundo com seu otimismo efevescente na Apple TV+). Tem também um bastidor de como as cenas de estádio lotado foram feitas.

DE VOLTA

O site Gawker voltou a ser atualizado, agora com novo dono. Não imaginamos que tenha a mesma acidez do passado (que levou o site a parar de publicar em 2016), mas que seja um bom contraponto a um monte de absurdos que vemos em 2021 em tecnologia, política e nas intersecções desses dois universos. Lamentamos que não tivemos a oportunidade de ver como a Gawker cobriria o governo Trump com a equipe/donos originais…(Mas seguimos reclamando do Peter Thiel, responsável pela derrocada da Gawker).

EXTRA TÓQUIO 2020

LEITURAS LONGAS

EU TENHO A FORÇA

No UOL, a incrível descoberta (para a gente, pelo menos) de que Kevin Smith é responsável pelo novo He-Man, ops, Mestres do Universo: Salvando Eternia que estreou na Netflix. Henrique gostou (os fãs nerds saudosistas não, que surpresa), mas achou que tem mais cara de anime que de desenho tosco dos anos 80. 

VIDA LONGA

Na Bloomberg (paywall), a nova obsessão do vale do silício: aumentar a vida dos cães e, por consequência, a dos humanos também.

LADY GUCCI, A VERDADEIRA VIÚVA NEGRA

Na Forbes, uma recapitulação da história real que inspirou o filme de Ridley Scott com Lady Gaga sobre o assassinato de Maurizio Gucci.

PERGUNTA SÉRIA

Você moraria numa casa pagando assinatura por tempo de uso em vez de aluguel? Vários serviços já estão disponíveis no Brasil, diz o UOL, que também traz a história do brasileiro insone que pode revolucionar o armazenamento de dados.

PARA POUCOS

Na Wired, a ascensão e queda do Clubhouse e uma ótima definição para acompanhar o nosso “pipa de rico” (usamos isso para drones): realidade virtual é o Riquinho da tecnologia.

POPPERS É POP

No Buzzfeed, a história do vidrinho que parece energético, mas serve para diversão adulta masculina.

TECHBIZ

PIXARIZE-SE

Um guia rápido de como usar filtros e parecer um desenho nas reuniões do Zoom. Nada como agir como um adulto no mundo corporativo. 

DRAMA

A Apple não gostou nada de ter canais de Slack repercutindo debates sobre as suas políticas de home-office e a possibilidade de diferenciação salarial baseada em onde as pessoas moram (quem mora em determinado lugar deve ganhar menos que outros de outros lugares). Empregados levantaram o debate da injustiça que a política traria e o rebu gerado já levou a pedidos de demissão de gente com muito tempo de casa.

Muitas empresas oferecem pacotes de ações como bônus, além da opção regular de compra de ações direto com o salário. Assim, quem tem muito tempo de casa também tem um suave e macio colchão financeiro para cair, em muitos casos de milhões de dólares.  Assim que a chefia faz caquinha, pede-se as contas sem muito remorso, tendo mais a ganhar do que a perder. 

PRÉ-PAGO

O Serpro comprou um pacote de R$ 200 mil em anúncios do Twitter. Falta saber o que tanto querem propagandear. Se for propagandear a segurança das urnas eletrônicas, vai ter gente zurrando alto em Brasília.

ALPHABOT

Uma nova subsidiária da Alphabet (leia-se Google) chegou ao mundo: a Intrinsic, voltada para o desenvolvimento de software para a indústria de manufatura. Estão pensando grande e em larga escala.

AQUILO ROXO

Já sabemos que o cartão Ultravioleta do Nubank não traz grandes diferenças em relação aos concorrentes. Mas a chegada do cartão em um kit luxuoso aos primeiros consumidores fez com que os fãs da Apple seguissem reclamando da ausência do Apple Pay – prometida para breve. Talvez quando a base de usuários iOS crescer ou a Apple tiver uma negociação mais fácil com os bancos.

DIVERSIDADE REAL

A Vivo anunciou que almeja ter 30% de pessoas pretas na sua liderança até 2024. Sinal de que o discurso de inclusão e mudança está avançando para além do marketing, e visa alterações nas estruturas de comando das corporações.

Este post contém links de associados para a Amazon Brasil. 
Caso você compre algo, Interfaces pode receber uma comissão.