Apple WWDC | Pirâmide do Pix | Telas esticáveis
Início » NEWSLETTER » Apple WWDC | Pirâmide do Pix | Telas esticáveis

Apple WWDC | Pirâmide do Pix | Telas esticáveis

RESUMO

Edição enviada em 11 de junho de 2021 aos assinantes da INTERFACES NEWSLETTER.

Bom dia,

Apple foi o centro das atenções esta semana, mas os principais destaques estão no resto da edição com o evento de criadores do Facebook/Instagram, a E3 virtual começando e até a criatividade do golpista brasileirinho ao inventar pirâmide por Pix.

Ah sim, tem uma pergunta nossa para os amigos do mercado de tecnologia em uma das notas – se alguém souber de algo, respostas por e-mail (e anonimidade garantida). Boa leitura, indique Interfaces para os amigos e até semana que vem – Henrique e Samir.

ELETRÔNICOS DE CONSUMO

WWDC 21 E A APPLE DIVIDIDA

Uma coisa as grandes empresas de tecnologia aprenderam e aprimoraram por conta da pandemia: produzir ótimos eventos online. O WWDC 2021, convenção para desenvolvedores da Apple, entra nessa categoria. Sem plateia, tudo pré-gravado, ritmo de videoclipe anunciando as novidades, todas relacionadas ao mundo do software – iOS 15 (para iPhones), iPad OS 15 (iPads), Watch OS 8 (Apple Watch) e o Mac OS Monterey, para Macs. Um monte de recursos compartilhados entre as plataformas, mostrando (o eterno) caminho de uma Apple na busca de um sistema só (nem que seja dividido em nomes distintos).

Comande um Mac pelo iPad, faça ligações via Facetime para qualquer plataforma (incluindo Android), crie perfis de trabalho e lazer, aumente a privacidade (menos na China) e VPN para todos (que pagarem pelo iCloud+) – ocasionalmente pode parecer que a Apple demora a adotar recursos presentes no Android, por exemplo, mas isso tem seus motivos. Ah sim, o iPhone vai substituir sua carteira, com identidade e carteira de motorista, e as chaves do seu carro e casa.

A reação mais comum depois de um WWDC é acompanhar as listas de aparelhos da Apple que serão compatíveis com os novos sistemas – o iOS 15 vai rodar até em iPhone 6s, lançados em 2015. O MacBook do Henrique, de 2015, está na fila da extinção: o Monterey será sua última grande atualização, já que está no fim da lista e deve sair dela no ano que vem. E aí que vem a pegadinha: é louvável falar que a Apple mantém atualizados aparelhos mais antigos, que seguem com um bom valor de revenda.

iOS 15: capture texto com a câmera e leve para qualquer lugar para editar (Apple/Divulgação)

Mas todas as novidades vão funcionar? O iPhone 6S vai rodar melhor? Talvez. Mas por questões de obsolescência programada, quer dizer, hardware incompatível, não será a experiência 100% completa de um iPhone 11 ou 12, mais recentes.

O Apple Watch série 3 é um ótimo exemplo disso: está na lista do WatchOS 8, mas a última atualização foi um parto para instalar (e não é a gente dizendo isso). Só que essa divisão agora, com a chegada dos Macs com processador Apple M1, se torna ainda mais visível: MacBooks com processador Intel lançados recentemente não vão ter todos os recursos, reservados para os M1. Imagina quem pagou R$ 84 mil em um modelo de 2020 no Brasil.

Cada um escolhe seu jardim murado – o consumidor da Apple é fiel e leal – entendemos isso. Única coisa é entender que esse jardim tem divisões entre áreas comuns e áreas VIP, mais reservadas, ao longo do tempo.

VRUM VRUM

Fora do burburinho do WWDC, um rumor sobre a Apple volta a circular com força: os carros elétricos da marca vêm aí, seja com negociações com fornecedores ou contratando gente da BMW.

ESTICA…

Mal entramos na era dos smartphones com telas dobráveis e a Samsung já pensa na próxima fase: telas que se esticam. Por enquanto, o teste vem sendo feito com um medidor de batimentos cardíacos com o display OLED grudado à pele – e aguentou mais de 1.000 esticadas.

Protótipo de “tela esticável” da Samsung (Samsung Display/Divulgação)

…E DOBRA

Mas a Samsung Display tem mais clientes para telas que dobram: Google, Vivo e Xiaomi, que devem mostrar seus novos modelos no final do ano.

DA SEMANA

A Xiaomi segue lançando smartphones premium por aqui. Agora foi o Mi 11, que tem preço sugerido de R$ 7.999. Tem aspirador de pó e pulseira inteligente também. E a Dell trouxe a linha XPS 13 (uma favorita da casa) para a 11a geração dos processadores Intel Core i7.

PERGUNTA AO VENTO

Se é verdade – e de quem – é a fábrica de smartphones que está sendo construída em uma cidade do interior de São Paulo (e não é uma das tradicionais suspeitas Jaguariúna e Taubaté)?

PARA FICAR DE OLHO

No recurso Sidewalk, habilitado em dispositivos da Amazon com Alexa: ele usa o Echo para criar uma rede sem fios pública (mas dá para desligar, por questões de privacidade). Por enquanto, o Sidewalk só funciona nos EUA.

FACELÓGIO

Já fizemos essa pergunta antes, mas agora temos mais detalhes técnicos: você usaria um relógio inteligente criado pelo Facebook?

SUSTENTÁVEL

500 lojas físicas do Magazine Luiza terão pontos de coleta de lixo eletrônico e eletrodomésticos usados (tente doar um micro-ondas velho para reciclar: é difícil, mas possível).

NÃO É PIADA

Sim, existe uma operadora celular da Larissa Manoela, a LariCel.

ACHADOS AMAZON DA SEMANA

CULTURA DIGITAL

BOA VONTADE

O Google vai começar a restringir resultados de buscas que levam a sites de calúnia, em uma nova política criada após inúmeras denúncias do New York Times (isso que é influenciador digital). Vítimas de exposição indevida também poderão pedir ao Google a retirada do conteúdo do índice.

LISTA VIP

Falando em influência, Juliette do BBB21 passou Neymar em engajamento no Instagram. Mas os órfãos do BBB podem acompanhar o New Face Reality Brasil no YouTube.

SPARRING

Logan Paul, youtuber e boxeador, lutou no último final de semana contra o campeão Floyd Mayweather – mas foi só uma busca de likes e muito dinheiro.

JOVEM

Kaique Brito viralizou na web aos 14 e, aos 16, fala de temas que vão de política ao meio-ambiente. Não confundir o menino prodígio da edição de vídeos com Kayky Brito, estrela de “O Beijo do Vampiro”.

LIBEROU? NÃO

Joe Biden derrubou a ordem executiva que queria banir apps como TikTok e WeChat do mercado americano. Na prática, não serão banidos, mas os aplicativos chineses seguem em avaliação se podem ser uma ameaça à segurança dos EUA. Será que a Huawei vai ser reavaliada também?

CASOS DE FAMÍLIA

Internet contando histórias interessantes: a do fã brasileiro dos Beatles que morreu de Covid-19 e agora os amigos organizaram uma busca por cartas perdidas para a filha que estavam em discos vendidos (e perdidos).

E a da irmã Mary Joseph, ex-socialite que se tornou freira – seu filho mais novo contou a vida dela no Twitter.

ALGORITMO…

O Instagram falou esta semana sobre como funciona seu algoritmo de organização de conteúdo na linha do tempo – quem aparece primeiro e os motivos disso.

… E PRIVILÉGIO

O mesmo Instagram ajudou a criar uma conta para a filha recém-nascida de influenciadores brasileiros. Mas a rede não permite que menores de 13 anos tenham contas por ali, então estamos confusos. Ainda mais porque a conta já nasceu verificada e tem quase 4 milhões de seguidores.

NÚMEROS

Na “semana do criador”, o Facebook disse que vai ampliar os recursos para que criadores ganhem mais dinheiro na rede, com comissões e transmissões. Mark Zuckerberg diz que vai destrinchar a conta que a Apple e Google levam em cima desses criadores. A ideia é que as vendas no Instagram, por exemplo, não percam 30% da receita porque o produto foi comprado em um iPhone. Vai ser uma briga boa de ver.

UM DIA É DA CAÇA…

…outro do caçador, como quando o Comitê de Supervisão do Facebook decidiu sobre um caso brasileiro de desinformação sobre Covid-19 – e o conteúdo segue no ar. Como a denúncia do conteúdo foi feita pelo próprio Facebook, a decisão dos sábios está em consulta pública.

QUANTO VALE O SHOW?

No caso da desinformação no YouTube feita por canais bolsonaristas, muito dinheiro. Muito dinheiro.

SUPERPODER

Novos indícios de que o Twitter também vai lançar um modo para criadores terem algo como “superfollow” – para se qualificar, será necessário ter mais de 10 mil seguidores e idade acima de 18 anos (será algo como um OnlyFans do Twitter?) I

nteressante ver como o Twitter tem soltado muitas funções e anúncios (ou deixado eles vazarem como balões de ensaio), mas ainda tem muito espaço para melhorar o que já existe: tuítes de voz ainda não foram liberados para todos, por exemplo, ou melhorar a moderação de conteúdo.

CRIATIVO

Parte da internet conhecida saiu do ar esta semana (falha em um fornecedor de infraestrutura), e o The Verge encontrou uma saída muito inteligente para cobrir o apagão: criou um arquivo no Google Docs com informações em tempo real.

Notícia em tempo real no Google Docs, pelo Verge (The Verge/Reprodução)

GAMES

E3 COMEÇANDO

O maior evento de games do calendário anual está aí e temos, além dos anúncios de um monte de novos jogos, o pré-evento, os rumores e a expectativa de sempre. Algo bem interessante de ver é como está sendo feita a cobertura independente, fora dos grandes veículos, seja em tuítes de jornalistas e entusiastas ou nas lives da Twitch. O IGN resumiu tudo que foi revelado no Summer Game Fest, com uma lista dos anúncios bastante detalhada.

MAIS QUE UM CONSOLE

O NYT analisa a estratégia da Microsoft para games, deixando a guerra dos consoles e ampliando sua ação para atingir mais usuários em diversas plataformas. Falando em diversificar, a próxima onda é embarcar soluções de game por streaming em TVs e outros dispositivos.

STARDEW VALLEY É ANTICAPITALISTA?

É o que este pequeno texto faz a gente começar a se perguntar.

FALHA DE SEGURANÇA

Hackers conseguiram invadir os sistemas da EA e roubar o código-fonte do FIFA 21, entre outras coisas. Agora os bandidos estão anunciando os dados em fóruns para ver se alguém compra, mas mais chocante do que os segredos de programação do jogo são as falhas de segurança da empresa.

DE VOLTA PARA O FUTURO

Battlefield 2042 é o próximo jogo da série e será ambientado, como o nome diz, no futuro. Esperamos que seja um futuro melhor do que o de Cyberpunk 2077.

LEITURAS LONGAS

PERFIS

Kara Swisher, a jornalista de tecnologia mais importante da atualidade, recebeu atenção da Fast Company (ela também desceu a lenha no Facebook em sua coluna do NYT da semana). Já a LA Mag conta sobre Yashar Ali, um grande influenciador no Twitter e fã de elefantes.

RELAXA

Na Atlantic, como o Calm se tornou o app essencial da quarentena. E o que acontece quando você esquece uma maçã na mesa do escritório e só volta mais de um ano depois.

LINKS ALEATÓRIOS

  • Os gnomos enviados como jabá (=brinde para jornalistas e influenciadores) pelo espólio de George Harrison.
  • A dona de restaurante que, com pena das lagostas sendo escaldadas vivas, decidiu deixar as bichinhas mais calmas usando ervas naturais.
  • A investidora que recebeu US$ 10 mil de um projeto secreto do TED conta o que fez com o dinheiro.

TECHBIZ

CASOS DO DINHEIRO MÓVEL

Enquanto o quase ex-CEO anuncia que vai para o espaço, aqui no Brasil a Amazon já começou os testes para aceitar Pix como forma de pagamento.

O Mercado Pago, por outro lado, diz que registrou mais de 1 milhão de transações com seu cartão no WhatsApp Pay (ou seja: alguém está usando isso, mas não somos nós – e o número parece grande, mas olhando para o universo de usuários do zap, é uma pequena gota).

GOLPES DIGITAIS DA SEMANA

  • Os grupos de Pix no WhatsApp e TikTok, ou como ver um esquema de pirâmide de perto.
  • Nos EUA, o mercado alternativo de certificados de vacinação oferecidos no Telegram e até na Amazon.
  • Ainda no Telegram, o mercadão de coisas ilegais – de assinatura da Disney+ a cartão de crédito baratinho.

EDITORIA MODA

O CEO da AMC, rede de cinemas americana, pareceu estar sem calças em uma entrevista via YouTube. Já no Brasil, o presidente da Oracle local acha que usar bermuda no escritório é o começo da “transformação digital”(acreditamos que existem outras métricas um pouco mais efetivas).

DINHEIRO VELHO

Warren Buffett, lendário investidor, botou US$ 500 milhões em uma nova rodada de investimentos do Nubank. Há quem diga que Buffett gostou do banco roxo pelo negócio gastar pouco com marketing, mas ter uma marca grande.

É impressionante como o Nubank gasta pouco no marketing, preferindo crescer sua comunidade e marca de maneira mais orgânica e com menos anúncios e ações gigantescas. E como o valor do banco vem sendo catapultado para cima rodada a rodada, de maneira constante e estável.

INTERFACES circula por e-mail toda sexta-feira de manhã. 

Para assinar, clique aqui.

Este post contém links de associados para a Amazon Brasil. Caso você compre algo, Interfaces pode receber uma comisão.