HarmonyOS 2: multiuso, mas ainda restrito
Harmony OS
Início » HARDWARE » HarmonyOS 2: multiuso, mas ainda restrito

HarmonyOS 2: multiuso, mas ainda restrito

RESUMO

Novo sistema operacional vai rodar em muitos aparelhos – mas a estrela do show (série P50) foi mostrada muito rápido.

A Huawei anunciou hoje o HarmonyOS 2, a primeira versão comercial do sistema operacional desenvolvido pela companhia, com produtos a serem lançados na China em um primeiro momento: os tablets MatePad Pro, os relógios Watch 3 e atualização para vários smartphones da marca que rodam Android (mais de 100, na verdade).

A definição oficial da Huawei sobre o Harmony OS é interessante, mas levanta questões:

Como um sistema operacional de última geração para dispositivos inteligentes, o HarmonyOS fornece uma linguagem comum através da qual dispositivos de todos os tipos podem se conectar e colaborar para oferecer aos usuários uma experiência mais confortável, consistente e segura. Ele usa tecnologia distribuída para atender às variadas necessidades de todos os tipos de dispositivos diferentes com um único sistema, permitindo uma implantação flexível conforme necessário. O HarmonyOS também combina dispositivos anteriormente independentes em um super dispositivo coeso e holístico, integrando todo o hardware alavancar os recursos de seus dispositivos compostos com base nas necessidades do usuário em tempo real. Além disso, o HarmonyOS permite que os desenvolvedores de aplicativos criem plataformas cruzadas e implantem-nas em vários dispositivos, facilitando ainda mais o processo de integração. “

Na teoria, a ideia é ser um sistema operacional que funcione em todo um ecossistema de produtos – da pulseira inteligente ao tablet e, por que não, um notebook. Não dá para mexer com Harmony agora, mas quem já mexeu diz que não é nada mais que um Android AOSP modificado.

Ainda tenho o Mate 30 aqui e vou checar por atualizações em breve.

Mas depois de tablet, relógio, fones de ouvido, deu a sensação de que faltou algo na linha da Huawei em 2021: a família de smartphones P50. Veio apenas uma prévia na apresentação, com muitas ressalvas.

Como todos sabemos, a Huawei segue com as restrições de negócios com os EUA – e sem poder usar serviços do Google (e peças de silício licenciadas com propriedade intelectual feita nos EUA). Richard Yu, CEO da unidade de consumo da Huawei, fez um comentário lacônico e muito realista após descrever o design e elogiar as futuras capacidades fotográficas do aparelho:

“Por razões que vocês bem sabem, uma data de lançamento não foi definida ainda. Mas estamos tentando resolver isso e tornar o produto disponível para os consumidores”.

Yu comentou que o produto seria lançado na primavera do hemisfério norte – ou seja, tem menos de 20 dias para isso acontecer.

Escrito por
Henrique Martin