Galaxy S21: lindo, bom de foto, quente demais

Galaxy S21: lindo, bom de foto, quente demais

RESUMO

Passei duas semanas com o Samsung Galaxy S21. Gostei do design, da câmera e da tela – mas ele esquenta demais.

Galaxy S21: o que é legal

  • O Samsung Galaxy S21 é um campeão do design, da linhagem smartphones com desenho industrial preciso e exato da marca, como o Galaxy S7 Edge e o Galaxy S10+.
  • A combinação de cores é perfeita (recebi o modelo Phantom Violet, com estrutura em rosa metálico com a traseira em roxo) e o uso de materiais é acertado (mesmo com o plástico na traseira, que dá uma maior resistência ao aparelho – seus irmãos maiores S21+ e S21 Ultra têm vidro atrás).
  • A borda rosa abraça o contorno do corpo do S21, se integrando muito bem ao módulo da câmera na traseira – porém isso deixa um pequeno desnível ao colocar o S21 com a tela para cima em uma mesa, algo que pode ser resolvido com uma capa protetora.
  • Eu gosto muito do tamanho dele (15,1 cm de altura), com bastante área de trabalho na tela de 6,2″ com poucas bordas. Não é exagerado como o S21 Ultra (16,5 cm de altura).
  • A câmera tripla traseira é muito boa (mas não excelente como do iPhone 12 Pro Max), o zoom óptico até 10x é bom, acima disso (‘space zoom’ de 30x) é para impressionar os amigos em festas pós-pandemia (quando já tivermos o Galaxy S22, provavelmente) e parecer que a câmera faz mais que o necessário na campanha da TV.
  • A Samsung acertou ao colocar uma tela com resolução 1080 x 2400 de até 120Hz adaptável (48-120Hz) de forma automática. Assim dá para usar sempre 120Hz (que é bom, deixando os movimentos da tela mais fluidos) em uma resolução decente para a tela de 6,2″ Dynamic Amoled 2X (no S20, era 120 Hz com FullHD + ou resolução da tela QuadHD, por exemplo).
  • Gostei muito que a Samsung me mandou o S21 de entrada. As marcas de smartphone no geral tendem a mandar apenas o modelo topo de linha no lançamento, e muitas vezes o consumidor fica sem saber como os outros aparelhos funcionam. Foi o caso aqui 🙂
  • Ainda na tela, as bordas são mínimas. Interessante perceber que, no modelo de entrada, a Samsung optou por ter uma tela plana pela primeira vez em anos Desde o Galaxy S8 todos os modelos da linha premium da marca têm as bordas arredondadas, no que a marca chama de “tela Edge”. S21+ e S21 Ultra têm as bordas bem suaves.
A borda rosa-dourada abraça o contorno do aparelho e o bloco das câmeras
  • Comparando tamanhos: na galeria abaixo, temos o S21 ao lado do Galaxy S20 Ultra (16,6 cm de altura) e do Galaxy S10+ (15,7 cm). O S21 é mais smartphone, menos tablet, cabe melhor no bolso e não força tendinite no dedão (como o S20 Ultra e o iPhone 12 Pro Max).

Galaxy S21: sistema, interface, desempenho, bateria

  • Poucos apps adicionais no sistema após ligar pela primeira vez – os velhos conhecidos (apps do Google, da Microsoft, Samsung + Facebook e Spotify). O S21 já vem com Android 11 de fábrica, com a interface OneUI 3.1. O S21 já é compatível com eSIM (algo que a Samsung nunca fez muito alarde) e gostei que o Android 11 permite que apps alternem entre Wi-Fi e 4G caso um deles esteja indisponível.
  • Desempenho entra na categoria “aparelhos premium sempre vão ter uma boa performance”. É rápido, fluido, não travou nenhuma vez nessas duas semanas.
  • A bateria de 4.000 mAH é a menor da família S21, mas em tempos pandêmicos (dentro de casa) a média de tempo de uso diário ficou em 12h para chegar a 30% de carga – o que é bem aceitável para um aparelho desses.
  • Mas o S21, graças ao novo processador Exynos 2100, tem um problema sério de superaquecimento. Não é no aparelho todo – é na área ao lado da câmera na metade superior. E aí você precisa parar, esperar um pouco para esfriar e continuar fazendo o que estava tentando antes. Não é incômodo como no iPhone X, mas pode assustar. Talvez uma atualização de software no futuro ajude a resolver o problema.
  • Percebi o aquecimento (chegando a 46 graus!) ao usar a câmera em qualquer modo, tirando poucas fotos, e em chamadas por vídeo usando a câmera frontal. Tirei os prints abaixo do AIDA64 e do CPU-Z, dois benchmarks que medem as condições do aparelho. Não é legal, Samsung.

A câmera

A câmera tripla do Galaxy S21 é muito boa. Não é a minha favorita da Samsung nos últimos anos (ainda gosto muito do Galaxy S10+), mas tem resultados excelentes durante o dia, OK à noite (de novo, o modo noturno e o foco do iPhone 12 ainda é melhor em 2021).

Exemplos de fotos:

  • O S21 tira fotos da Lua. Não é tão fácil como no Huawei P30 Pro (um aparelho de 2 anos atrás já), nem sempre com foco correto. Mas no geral, as fotos noturnas não deixam a desejar.
  • O zoom – da grande angular aos 30x: até 10x é OK, acima disso é borrão, mesmo com iluminação suficiente.
  • e selfies com a câmera frontal agora têm recursos de iluminação de estúdio (algo presente nos iPhones faz tempo)

Duas coisas adicionais da câmera: faz vídeos em 8K, se você tiver onde mostrar isso, e um novo modo “Visão do diretor”, que filma com a câmera frontal e a traseira ao mesmo tempo, permitindo criar vídeos de “reação” ou comentar coisas em tempo real, ao vivo. Divertido.

Galaxy S21: o que não é legal

  • Além da questão do superaquecimento (falei com alguns outros jornalistas de tecnologia, que encontraram os mesmos problemas), algumas coisas podem incomodar (não me atrapalham, sendo bem honesto) ao não estarem presentes no Galaxy S21:
    • o carregador (a caixa dele vem apenas com um cabo USB-C para USB-C, o que não é um problema se você tiver um S20 ou Note 20) – a Samsung vai dar um adaptador de tomada para quem comprar na pré-venda (!)
    • a ausência do recurso MST no Samsung Pay (que emula um cartão físico em pagamentos) – algo que nunca usei.
    • algo que pode ser problemático especificamente para o S21, que tem apenas opção com 128 GB de armazenamento: nenhum dos três modelos traz entrada para cartão microSD para expansão.

Eu compraria um?

Pelo tamanho, em busca de um smartphone que não seja muito grande, o Galaxy S21 entra na minha lista de desejos. Aguardaria um pouco para ver se a Samsung resolve a questão do superaquecimento e o preço cai um pouco.

O Galaxy S21 começa a ser vendido no Brasil dia 05 de março (em pré-venda de 10/02 a 04/03) pelo preço sugerido de R$ 5.999 (o S20 foi lançado por R$ 5.499 ano passado).

Na mesma data, S21+ e S21 Ultra, Galaxy Buds Pro e Galaxy SmartTag também chegam às lojas.

[Samsung]

INTERFACES circula por e-mail toda sexta-feira de manhã. 

Para assinar, clique aqui.

Escrito por
Henrique Martin
2 comentários